Objeto de Desejo

2666 - Roberto Bolaño - Editora Companhia das Letras - Tradução de Eduardo Brandão - 856 páginas - lançamento 20/05/2010.

Finalmente será lançado no Brasil pela Editora Companhia das Letras (previsão 20/05/2010) o romance 2666 do aclamado escritor chileno Roberto Bolaño (1953-2003), considerado como a maior revelação da literatura latino-americana depois de Gabriel García Márquez, apesar do estilo bem diferente do velho mestre Gabo. Roberto Bolaño cresceu no México, retornando ao Chile somente no início dos anos setenta, quando foi perseguido pelo regime político de Pinochet após a queda de Allende em 1973. Seus livros só começaram a ser publicados, na Espanha, quando o autor já contava com 40 anos.

Publicado depois da morte de Bolaño, na Espanha em 2004, este romance virou febre mundial após a tradução americana, lançada no mercado dos EUA em 2008 e que transformou o autor chileno (e que todos achavam ser mexicano) em um novo mito literário, comparado somente aos escritores da geração beat (ver resenhas do New York Times, Guardian e Independent). Vencedor do National Book Critics Circle Award nos Estados Unidos e eleito o livro do ano pela "Time Magazine".

Hoje o Caderno Prosa e Verso do jornal O Globo publicou uma matéria sobre este lançamento que começa assim: "Numa longa entrevista que deu à "Playboy" mexicana em 2003, já muito debilitado pela doença hepática que o mataria naquele mesmo ano, Roberto Bolaño fez piada com os críticos que o anunciavam como o escritor latino-americano com mais futuro. "Mas eu sou o escritor latino-americano com menos futuro", respondeu, aproveitando para desdenhar da palavra "póstumo" ("Soa a nome de gladiador romano") (...)" - ver matéria completa aqui.

18 comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Monólogo de Molly Bloom em Ulysses, "sim eu disse sim eu quero Sim"

20 personagens femininas da literatura mundial

Ian McEwan - Enclausurado

20 problemas que somente os apaixonados por livros podem entender

As 20 melhores distopias da literatura

Amós Oz e David Grossman avançam para a shortlist do Man Booker International Prize 2017