Isaac Bábel - O Exército de Cavalaria

Isaac Bábel - O Exército de Cavalaria - Editora Cosac Naify - 251 páginas - Tradução do original em russo por Aurora Fornoni Bernardini e Homero Freitas de Andrade - Prefácio de Boris Schnaiderman e Otto Maria Carpeaux - Publicação 2006.

Segundo o prefácio de Boris Schnaiderman, a quem seremos eternamente gratos pelas traduções diretas de autores russos do nível de Maiakóvski, Dostoiévski e Tchekhov, os contos de Isaac Bábel (1894 - 1940) apresentam um "sabor acre de sangue e terra". De fato, Bábel ao narrar as sua experiências na guerra russo-polonesa de 1920-1921 como correspondente é testemunha dos atos violentos do exército cossaco, mas o seu texto também está repleto de lirismo, natureza e paixão. Bábel vivenciou a violência desde cedo, ele próprio nascido judeu em Odessa, Ucrânia, presenciou aos dez anos o pogrom que o impressionou definitivamente. Apesar de ter sido um defensor da revolução russa, foi preso, torturado e executado durante o Grande Expurgo de Stálin em 1940.

A prosa de Bábel é expressionista e direta, mas também com descrições e metáforas surpreendentes como no seguinte trecho do conto "A travessia do Zbrutch": "Um sol alaranjado rola pelo céu como uma cabeça decepada, uma luz suave acende-se nos desfiladeiros das nuvens, e os estandartes do poente ondulam sobre nossa cabeça", mais tarde no mesmo conto entra em cena o elemento humano: "Tarde da noite entramos em Novograd. No alojamento que me foi designado, encontro uma mulher grávida e dois judeus ruivos, de pescoço fino; um terceiro dorme encostado à parede com a cabeça coberta (...) Ela ergue do chão suas pernas magras e o ventre redondo, e retira o cobertor do homem adormecido. É um velho morto que jaz ali, deitado de costas. Sua garganta está cortada; o rosto, partido ao meio; e um filete azul de sangue coagulado na barba, como uma lasca de chumbo.".

Em outro momento de lirismo, no conto "O rabino": "Tudo é mortal. A vida eterna é destinada apenas à mãe. E, quando a mãe não está mais entre os vivos, deixa uma lembrança de si que ninguém ainda ousou profanar. A lembrança da mãe nutre em nós uma compaixão como o oceano, e o oceano sem fim nutre os rios que sulcam o Universo...". Uma verdade desconcertante mesmo na convivência com o exército sanguinário de cossacos.

A edição da Cosac Naify, além dos prefácios de Boris Schnaiderman e Otto Maria Carpeaux, acrescenta notas dos tradutores, Glossário e sugestões de leituras complementares sobre Issac Bábel.

9 comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

20 citações de escritores sobre a arte de escrever

Monólogo de Molly Bloom em Ulysses, "sim eu disse sim eu quero Sim"

20 personagens femininas da literatura mundial

20 problemas que somente os apaixonados por livros podem entender

Ian McEwan - Enclausurado

As 20 melhores distopias da literatura