Ernesto Sabato - El escritor y sus fantasmas

Este livro, publicado originalmente em 1963, pode ser considerado como uma espécie de diário do escritor argentino Ernesto Sabato no qual ele apresenta as suas dúvidas, críticas, teorias e reflexões sobre a literatura e o ofício de escritor. Segundo o próprio Sabato definiu na apresentação à primeira edição: "este livro é constituído por variações de um só tema: por que, como e para que se escrevem ficções?". Sendo assim, os tópicos estão sempre relacionados com a sua própria escrita ou de outros autores que  podem ser apenas citados como Proust, Tostoi, Balzac, Kafka, entre muitos outros, ou através de uma análise crítica mais demorada como: nos casos de Robbe-Grillet, Nathalie Sarraute, Jorge Luis Borges e Jean Paul Sartre.

Sabato comenta sobre a inutilidade de uma "literatura nacional" já que em autores como Kafka (e ele próprio, diga-se de passagem) não conseguimos identificar elementos nacionalistas, mas sim universais. Adicionalmente, considera impossível uma literatura sem a influência cultural européia porque, segundo ele, não existe uma originalidade absoluta, Faulkner vem de Joyce, Huxley, Balzac e Dostoiévski. Há páginas em O Som e a Fúria que parecem plagiadas de Ulisses. Sem falar da cultura negra americana que soube criar, à partir da herança anglo-saxã, toda a música moderna que fazemos hoje no mundo.

Algumas ideias de Ernesto Sabato: "o romance é um gênero impuro por excelência. Resiste a qualquer explicação e extrapola todas as limitações". "O fanatismo é a essência do criador, é preciso ter uma obsessão fanática, nada deve antepor-se a sua criação, deve sacrificar qualquer coisa a ela. Sem esse fanatismo nada de importante pode ser feito". "Nos últimos tempos foram feitas inúmeras tentativas para se transpor o livro para a técnica cinematográfica, mas obras de Proust, Virginia Woolf ou Faulkner são essencialmente literárias e irredutíveis a qualquer outro meio de expressão". Concordando ou não com Sabato vale a pena conhecer os pontos de vista de um dos maiores escritores contemporâneos.

A Editora Companhia das Letras lançou "O Escritor e Seus Fantasmas", traduzido por Pedro Maia Soares em 2003.
10 comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Monólogo de Molly Bloom em Ulysses, "sim eu disse sim eu quero Sim"

20 personagens femininas da literatura mundial

Ian McEwan - Enclausurado

20 problemas que somente os apaixonados por livros podem entender

As 20 melhores distopias da literatura

Amós Oz e David Grossman avançam para a shortlist do Man Booker International Prize 2017