Vicente Aleixandre - Poemas de la consumación

O poeta espanhol Vicente Aleixandre (1898 - 1984), mesmo tendo sido premiado com o Nobel de Literatura em 1977, não é tão divulgado quanto Federico García Lorca, morto durante a guerra civil espanhola e também integrante da geração de 27 com Rafael Alberti, Luis Cernuda, Jorge Guillén, Pedro Salinas, Dámaso Alonso e Gerardo Diego. 

Algumas vezes Vicente Aleixandre é citado como um poeta do movimento surrealista, mas o próprio declarou que nunca se sentiu um poeta surrealista "porque nunca acreditou no estritamente onírico, na escrita 'automática', na sua consequente abolição da consciência artística".

A poesia de Vicente Aleixandre em sua última fase é marcada pelo livro Poemas de la consumación de 1968 em que o autor escreve sobre o amor e a juventude, a velhice e a morte. A consumação de que os poemas tratam nesta obra é justamente a morte e o difícil conhecimento que o homem atinge na velhice, na certeza do seu próximo e inevitável fim. Selecionei o curto poema abaixo em que o tema é abordado com sensibilidade e criatividade.
Rosto Atrás do Vidro
(Olhar do Velho)
Ou tarde ou cedo ou nunca.
Mas por trás do vidro o rosto insiste.
Junto a umas flores naturais a própria flor se mostra
sob a forma de cor, ou face, ou rosa.
Por trás do vidro a rosa é sempre rosa.
Mas sem perfume.
A juventude distante é ela própria.
Mas aqui não se ouve.

Só a luz atravessa o vidro virgem.

A tradução acima é de José Bento na Antologia de Vicente Aleixandre, Editorial Inova / Porto - dezembro de 1977.
4 comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Monólogo de Molly Bloom em Ulysses, "sim eu disse sim eu quero Sim"

20 personagens femininas da literatura mundial

Ian McEwan - Enclausurado

20 problemas que somente os apaixonados por livros podem entender

As 20 melhores distopias da literatura

Amós Oz e David Grossman avançam para a shortlist do Man Booker International Prize 2017