quinta-feira, abril 09, 2015

Llucia Ramis - Todo lo que una tarde murió con las bicicletas

Llucia Ramis - Todo lo que una tarde murió con las bicicletas - Editora Libros del Asteroide - 224 páginas - Lançamento 2013 - Prólogo de José Carlos Llop (ler aqui um trecho disponibilizado pela editora).

Llucia Ramis Laloux nasceu em Palma de Mallorca em 1977 e escreve em catalão e espanhol, mas ainda está para ser descoberta por alguma editora no Brasil ou Portugal e traduzida para o português, o que seria ótimo para os leitores lusófonos. Neste seu terceiro romance, o tema principal é a história familiar e as relações da autora com os pais e avós. Llucia faz muito bom uso do recurso da autoficção, alternando passado remoto, recente e presente na narrativa e utilizando como cenário principal a ilha de Palma de Mallorca onde a personagem principal, já passando dos trinta anos, retorna à casa dos pais após o seu retumbante "fracasso" profissional, sentimental e existencial.

Até este ponto não há muita novidade já que a autoficção é um recurso comum na literatura contemporânea, assim como a autobiografia. Apesar de tudo, a forma como Llucia Ramis resgata as suas memórias infantis  e descreve a visão do mundo que a cerca é de rara beleza e provoca a nossa identificação imediata, mesmo sabendo que se trata de uma obra de ficção, como o próprio texto sinaliza: "Cada vez que recordamos algo, na realidade estamos recordando a última vez que recordamos. Nunca voltamos ao momento em que vivemos, mas sim a aquele outro que já era uma recriação. Recordamos aquilo que inventamos ou nos fizeram inventar." (pág. 176).

Em outra parte, a autora reflete sobre o sentimento de perda por contraste: "A nostalgia é este mal estranho que nos faz dolorosamente felizes, uma espécie de alegria triste pelas coisas que não podem nos tirar porque já as possuímos e, ainda que hajam deixado de existir, seguem assim, imutáveis." (pág. 27).

A primeira epígrafe do livro é uma referência ao poema "Sistemas" do espanhol Pere Gimferrer e dá uma boa pista sobre o conteúdo do romance que estamos prestes a ler e também da origem do título:

"y ahora gira el cristal
y oculta este aspecto: lo real y lo ficticio,
la convención, es decir, y las cosas vividas,
la experiencia de la luz en los bosques invernales,
la dificultad de otorgar coherencia — es un juego de espejos —,
los actos disolviéndose en la irrealidad,
los ácidos que invaden viejas fotografias,
(...)
todo lo que una tarde murió con las bicicletas" 

Já a segunda epígrafe é um alerta da própria autora: "Esto no es una autobiografia", o que obviamente não é uma verdade completa e tampouco uma mentira. E, no entanto, não é justamente essa a maior mágica possível da arte e da literatura em especial?
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
>