segunda-feira, junho 15, 2015

Zadie Smith - Sobre a Beleza

Zadie Smith - Sobre a Beleza - Editora Companhia das Letras - 448 páginas - Tradução de Daniel Galera - Lançamento no Brasil: 26/10/2007.

Terceiro romance de Zadie Smith, após sua estreia com os premiados: "Dentes Brancos" (2000) e "O Caçador de Autógrafos" (2002), traduzidos e publicados no Brasil pela Editora Companhia das Letras; "Sobre a Beleza", lançado originalmente em 2005, também foi muito elogiado pela crítica especializada e recebeu prêmios importantes como o extinto Orange Prize de 2006 (atual Baileys Women's Prize for Fiction), além de ter sido selecionado na shortlist do Man Booker Prize em 2005. Este romance consolidou a posição da autora na literatura britânica contemporânea ao lado de nomes já consagrados como: Ian McEwan, Martin Amis, Julian Barnes, Kazuo Isghiguro e Hilary Mantel, para citar alguns.

O romance tem como base os contrastes entre duas famílias (estrutura similar a "Howards End" de E. M. Forster, citado por Zadie Smith nos agradecimentos como uma paixão que inspirou o seu trabalho) e a rivalidade intelectual entre os acadêmicos Howard Belsey e Montague Kipps. Enquanto a família formada pelo inglês Howard, morando na pequena cidade universitária ficcional de Wellington, subúrbio de Bostonsegue uma orientação liberal e pouco (ou nada) religiosa, após trinta anos de um casamento aparentemente feliz com a afro-americana Kiki e os filhos Jerome, Zora e Levi, o seu oponente no campo das ideias acadêmicas, artigos e palestras, Sir Montague Kipps, de Trinidad e Tobago, residente em Londres, é conservador e aristocrático, um católico obsessivo, casou-se com a haitiana Carlene, tendo dois filhos: Michael e Victoria. Um noivado frustrado entre Jerome, o filho de Howard convertido ao catolicismo, com ninguém menos do que Victoria, a sensual filha de seu rival acadêmico, irá deflagrar uma situação de guerra ainda mais declarada entre os dois intelectuais e uma série de situações desagradáveis e hilárias para o leitor, principalmente quando a família Kipps vem de mudança para Wellington.

A narrativa é sempre muito bem-humorada, por vezes tragicômica, e as reviravoltas da trama tendem normalmente a colocar o prepotente Howard Belsey e suas convicções ideológicas em cheque, seja por conta do seu oponente, patriarca dos Kipps, ou pelo "fogo amigo" dos integrantes de sua própria família, cada um lutando por seus ideais e convicções próprias (sejam elas religiosas, sociais, profissionais ou amorosas). Kiki Belsey é uma das personagens mais fortes e bem construídas do livro, de origem humilde e sem os mesmos interesses intelectuais do marido, percebe que a passagem do tempo deixou suas marcas, principalmente na aparência atual de seu corpo de 115 Kg o que levou Howard em direção a uma armadilha típica para os homens de meia idade que buscam em uma relação extraconjugal a solução egoísta para os seus problemas existenciais.

O núcleo de personagens principais se expande consideravelmente no romance de mais de quatrocentas páginas, abrindo espaço para o dia a dia da Universidade, reitor, professores, alunos e também o problema social dos imigrantes haitianos e da população negra de baixa renda que tem em Levi, o filho mais novo de Howard e Kiki, um defensor em tempo integral, fonte de novos problemas para a família Belsey. Howard é um homem que, devido ao próprio exercício da profissão, passou a duvidar de tudo e a convivência com ele é muito desgastante para os filhos e também para a esposa que vê o casamento desmoronar. A intimidade dos conflitos familiares na casa dos Belsey é revelada nos mínimos detalhes por Zadie Smith e nos sentimos assistindo a uma peça de teatro, tão próximos da ação como parte do próprio cenário. Será que essa história consegue ter um final feliz?
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
>