terça-feira, junho 07, 2016

Clarice Lispector - Todos os Contos

Clarice Lispector - Todos os Contos - Editora Rocco - 656 páginas - Prefácio e Organização de Benjamin Moser (lançamento Maio de 2016).

Uma bela e merecida homenagem à obra de Clarice Lispector que recebe pela primeira vez no Brasil um tratamento editorial compatível com a importância da sua obra. A antologia, lançada nos Estados Unidos no ano passado, foi relacionada na lista dos melhores livros de 2015 além de ter sido escolhida como uma das 12 melhores capas do ano, ambas as premiações pelo prestigiado New York Times. Em 2016 já levou o Pen Translation Prize de melhor tradução, provando que a sua trajetória internacional está apenas começando. Esta versão conta com um apaixonado prefácio ("Glamour e gramática") do seu melhor e mais fiel biógrafo, o escritor, editor, crítico e tradutor Benjamin Moser, que foi o grande responsável pela divulgação da autora no mercado internacional, lançando em 2009 "Why This World: A Biography of Clarice Lispector" (traduzido no Brasil como "Clarice" pela Cosac Naify), biografia incluída entre os 100 livros notáveis de 2009 pelo New York Times Book Review. Os contos de Clarice retornam afinal ao seu país de origem, apesar de serem universais, como fica cada vez mais evidente. Sejam todos bem-vindos ao culto da encantadora feiticeira Clarice Lispector.

A leitura (ou releitura) dos oitenta e cinco contos, permite comparar as diferentes fases de Clarice como escritora, desde os primeiros textos da adolescência até a maturidade. Os contos reunidos no capítulo inicial,"Primeiras histórias", resgatam a obra da juventude e foram publicados durante os anos em que estudava Direito no Rio de Janeiro antes do casamento com o diplomata Maury Gurgel Valente e de sua saída do Brasil, assim como também anteriores à sua estreia com o romance "Perto do Coração Selvagem". Ela nunca se adaptou ao exílio e, durante os dezesseis anos que viveu no exterior, a sua tendência à depressão se acentuou. Na verdade, sempre foi uma estrangeira no Brasil e em todos os países em que viveu, isto acabou beneficiando o seu processo criativo, libertando-a da normalidade, uma espécie de "alienação cultural produtiva", como destacou Benjamin Moser.
"Como é que Clarice Lispector — logo ela — conseguiu triunfar? Ela vinha de uma tradição de fracasso, de uma tradição de falta de tradição, como escritora brasileira, como escritora, como mulher, mas talvez principalmente em consequência de suas origens. Seus primeiros anos de vida foram tão catastróficos que é um milagre que haja conseguido sobreviver. Nasceu em 10 de dezembro de 1920, numa família judia do oeste da Ucrânia. Era uma época de caos, fome e guerra racial. Seu avô foi assassinado; sua mãe foi violentada; seu pai foi exilado, sem um tostão, para o outro lado do mundo. Os restos dilacerados da família chegaram a Alagoas em 1922. Lá, seu brilhante pai, reduzido à condição de vendedor ambulante de roupas usadas, mal conseguia alimentar a família. Lá, quando Clarice ainda não tinha nove anos de idade, perdeu a mãe, levada pelos ferimentos sofridos durante a guerra. (...) Em 25 de maio de 1940, publicou o primeiro conto: "O triunfo". Três meses depois, seu pai faleceu aos cinquenta e cinco anos de idade. Antes de seu vigésimo aniversário, Clarice estava órfã. No início de 1943, ela se casou com um gentio, algo quase sem precedentes para uma moça judia no Brasil. No final daquele ano, pouco depois de ter publicado o primeiro romance, ela e o marido deixaram o Rio de Janeiro. Em um curto espaço de tempo, portanto, deixou sua família, sua comunidade étnica e seu país. Deixou também a profissão, o jornalismo, em que vinha se destacando." (Prefácio de Benjamin Moser - "Glamour e Gramática" - págs. 17 a 19)
Outro fato bem destacado por Benjamin Moser para explicar a mitologia de Clarice Lispector é que ela representa um caso raro de mulher burguesa que não começou a escrever tarde e não parou por causa do casamento ou dos filhos nem tampouco encerrou prematuramente a carreira devido ao consumo de drogas ou ao suicídio. Clarice declarou uma vez que não gostava de ser comparada a Virginia Woolf porque ela havia desistido: "O terrível dever é ir até o fim". Importante notar também que foi aberto espaço na literatura brasileira da época, saturada do realismo de Graciliano Ramos e Jorge Amado, para a vida urbana e a classe média, principalmente na visão das mulheres. Temas como o casamento, filhos, o tédio no cotidiano das donas de casa, a separação, os efeitos dolorosos do envelhecimento e a inevitável solidão no fim da vida são elementos que formam a matéria-prima de seu processo criativo.

Após o primeiro capítulo com os textos da juventude, são apresentados todos os contos publicados originalmente nos livros: “Laços de família” (1960), “A legião estrangeira” (1964), “Felicidade clandestina” (1975), “Onde estivestes de noite” (1974), “A via crucis do corpo” (1974) e “Visão do esplendor” (1975). Encerram esta edição dois contos incompletos publicados em “A bela e a fera” (1979), dois anos depois da morte da autora. É claro que seria impossível para qualquer escritor, mesmo para a feiticeira Clarice, manter o nível de "Laços de Família" — em que todos os textos são obras-primas da literatura universal — na totalidade de sua obra. De fato, existem variações de estilo à medida em que ela amadurece, algumas vezes bastante arriscadas, provando que a autora soube vencer o medo do fracasso e da experimentação, como ela própria declarou: "Gosto de um modo carinhoso do inacabado, do malfeito, daquilo que desajeitadamente tenta um pequeno voo e cai sem graça no chão."

"Laços de Família" foi publicado pela Editora Francisco Alves em 1960 e reuniu alguns contos escritos quando Clarice vivia nos Estados Unidos, tais como: "Mistério em São Cristóvão", "Os laços de família", "Começos de uma fortuna", "Amor", "Uma galinha" e "O jantar" e outros que foram publicados na revista Senhor, quando ela retornou ao Rio de Janeiro, em 1959. Segundo Fernando Sabino comentou na época, o livro seria: "exata, sincera, indiscutível e até humildemente o melhor livro de contos já publicado no Brasil". Érico Veríssimo disse a Clarice: "Não escrevi sobre seu livro de contos por puro embaraço de lhe dizer o que eu penso dele. Aqui vai: a mais importante coletânea de contos publicada neste país desde Machado de Assis". Realmente é muito difícil encontrar um conjunto de contos com tamanha perfeição técnica, não só no Brasil. Todas as vezes que releio "Feliz Aniversário" e "A imitação da rosa" me surpreendo com o alcance universal dos contos, verdadeiros clássicos.

"A Legião Estrangeira" foi publicado pela Editora do Autor em 1964. A edição original era dividida em duas partes: "Contos" e "Fundo de gaveta". Há textos mais antigos, como "Viagem a Petrópolis", publicado num jornal em 1949, e "A pecadora queimada e os anjos luminosos", a única peça de sua carreira, que ela escreveu na Suíça. O conto "Mineirinho" é uma crítica social sobre um homicida que tinha uma namorada e era devoto de São Jorge, e que a polícia matou com "treze balas quando só uma bastava", uma violência que era prática comum já naquela época. Como bem destacado na biografia de Clarice, a "Legião Estrangeira" apresenta "uma forte ênfase nos mundos interiores de seus personagens, as obras de Clarice sempre tiveram um elemento abstrato. "Quando a arte é boa é porque tocou no inexpressivo" ela escreveu em G. H. "A pior arte é a expressiva, aquela que transgride o pedaço de ferro e o pedaço de vidro, e o sorriso, e o grito."  E concluindo: "Tanto em pintura como em música e literatura, tantas vezes o que chamam de abstrato me parece apenas o figurativo de uma realidade mais delicada e mais difícil, menos visível a olho nu."
"Quanto ao corpo da galinha, o corpo da galinha é a maior prova de que o ovo não existe. Basta olhar para a galinha para se tornar óbvio que o ovo é impossível de existir. E a galinha? O ovo é o grande sacrifício da galinha. O ovo é a cruz que a galinha carrega na vida. O ovo é o sonho inatingível da galinha. A galinha ama o ovo. Ela não sabe que existe o ovo. Se soubesse que tem em si mesma um ovo, ela se salvaria? Se soubesse que tem em si mesma o ovo, perderia o estado de galinha. Ser uma galinha é a sobrevivência da galinha. Sobreviver é a salvação. Pois parece que viver não existe. Viver leva à morte. Então o que a galinha faz é estar permanentemente sobrevivendo. Sobreviver chama-se manter luta contra a vida que é mortal. Ser uma galinha é isso. A galinha tem o ar constrangido." ("A Legião Estrangeira" - "O ovo e a galinha" (pág. 306).
"A via crucis do corpo", publicado em 1974, é uma das obras mais polêmicas de Clarice, tendo sido considerado como "pornográfico" por parte da crítica literária, influenciada pelo ambiente repressivo da ditadura militar que moldava a sociedade da época. Nestes contos encontramos um travesti, uma stripper, uma freira tarada, uma mulher de sessenta anos que sustenta um amante adolescente, um casal de lésbicas assassinas, uma idosa de oitenta e um anos que se masturba e uma secretária inglesa que experimenta uma relação sexual com um alienígena do planeta Saturno em noite de lua cheia. Convenhamos que é um pouco demais até para o nosso tempo. Este livro reforçou a reputação de Clarice, já bastante difundida, de personalidade estranha e imprevisível, mas parece se encaixar na trajetória de experimentação e amadurecimento de uma escritora que não tinha medo de errar.

"Visão do Esplendor" foi publicado em 1975 pela Editora Francisco Alves e inclui "Brasilia" em versão inicial de 1962, escrita depois de sua primeira visita à nova capital, publicada em "A Legião Estrangeira" como "Brasília: Cinco Dias". A versão incluída nesta edição é a aumentada, que escreveu após o seu regresso a Brasília em 1974. Esta crônica, se podemos chamar assim, é tão bem escrita e criativa que marquei em amarelo praticamente todos os parágrafos do texto (além de boa parte da minha camisa). Em nossa época, na qual o cenário político é a estrela de todos os noticiários e os crimes de nossos representantes ficam cada vez mais evidentes, não deixa de ser interessante refletir sobre Brasília, o local onde dois arquitetos "não pensaram em construir beleza, seria fácil: eles ergueram o espanto inexplicado."
"— Não chorei nenhuma vez em Brasília. Não tinha lugar. — É uma praia sem mar. — Em Brasília não há por onde entrar, nem há por onde sair. — Mamãe, está bonito ver você em pé com esse capote branco voando. (É que morri, meu filho). — Uma prisão ao ar livre. De qualquer modo não haveria para onde fugir. Pois quem foge iria provavelmente para Brasília. — Prenderam-me na liberdade. Mas liberdade é só o que se conquista. Quando me dão, estão me mandando ser livre. — Todo um lado de frieza humana que eu tenho, encontro em mim aqui em Brasília, e floresce gélido, potente, força gelada da Natureza. Aqui é o lugar onde os meus crimes (não os piores, mas os que não entenderei em mim), onde os meus crimes gélidos têm espaço. Vou embora. Aqui meus crimes não seriam de amor. Vou embora para os meus outros crimes, os que Deus e eu compreendemos. Mas sei que voltarei. Sou atraída aqui pelo que me assusta em mim. (...) — É urgente. Se não for povoada, ou melhor, superpovoada, será tarde demais: não haverá lugar para pessoas. — A alma aqui não faz sombra no chão." ("Visão do Esplendor" - "Brasília" - pág. 593)
Uma autora para se ler e reler sempre e que pode ser perigosa para a nossa sanidade, mas necessária. Cuidado, assim como a sua vida, nada é o que parece em Clarice, nunca. E, principalmente, não acreditem em nada que ouviram falar sobre ela, não esperem mais, leiam vocês mesmos, logo!
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
>