quinta-feira, junho 09, 2016

Por que Raduan Nassar abandonou a literatura?


Como todos sabem, Raduan Nassar após ter sido finalista do Man Booker International Prize este ano com a tradução de Um Copo de Cólera, foi honrado com a premiação literária mais importante da língua portuguesa, o Prêmio Camões de literatura 2016, uma escolha de certa forma surpreendente mesmo para o próprio premiado que declarou com alguma ironia não entender os motivos da escolha da organização já que a sua obra se limitava a "um livro e meio". Segundo os jurados, Raduan "privilegia a densidade acima da extensão" o que é a mais pura verdade, diga-se de passagem.

O autor, que já completou 80 anos, vive recluso e se recusa a dar entrevistas desde os anos 1980 quando decidiu abandonar a literatura após escrever dois romances clássicos: Lavoura Arcaica (1975) e Um Copo de Cólera (1978). O afastamento por tantos anos do mercado editorial e de todo o entorno de festivais, noites de autógrafos e exposição na mídia, não reduziu em nada o interesse do público em sua obra, muito pelo contrário. Mas afinal, por que Raduan abandonou a literatura? 

Alguns trechos de uma rara e extensa entrevista do ex-escritor em 1996 para a série Cadernos de Literatura Brasileira do Instituto Moreira Salles (IMS) podem fornecer pistas dos motivos para o seu exílio voluntário. As frases são todas de Raduan, mas foram removidas um tanto quanto fora do contexto das perguntas. De qualquer forma, o resultado é um mosaico de opiniões sobre o fazer literário e a sua aversão à rotina burocrática e as formas de controle da individualidade. A entrevista pode ser lida na íntegra no blog do IMS.
(01) "Valorizo livros que transmitam a vibração da vida, só que a vida nesses livros, por melhores que esses livros sejam, será sempre a vida percebida pelo olhar do outro." 
(02) "Qualquer autor isolado é sempre muito pequeno perto da complexidade infinita da vida." 
(03) "A chamada modernidade no sistema de produção, com sua ênfase na eficiência, esmaga certas manifestações de humanismo, incluindo-se nesse humanismo o delírio de alguns." 
(04) "Certos escritores vinham há tempos chupando o sangue das palavras, queriam a qualquer custo acabar com os sentimentos na literatura."
(05) "Acho que a literatura perdeu certa ingenuidade (...) Em literatura, quando você lê um texto que não toca o coração, é que alguma coisa está indo pras cucuias." 
(06) "A dificuldade para entender certos procedimentos transplantados para a literatura, quando se recorre inclusive a cálculos de raiz quadrada." 
(07) "Como o mundo não começa e termina na literatura, arrisco dizer que estou em diálogo com meu tempo, só que no terreno da agricultura." 
(08) "Se digo o que penso, vou ser condenado como escritor ad aeternitatem; se não digo o que penso, eu mesmo vou me condenar ad aeternitatem."  
(09) "Nunca senti muito apego pelos livros. Os livros que me sobraram estão esquecidos lá nas prateleiras, me pergunto sempre que é que estão fazendo nas estantes."
(10) "Se tivesse de me pautar pela leitura de manifestos literários, eu jamais teria escrito uma linha."
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
>