Itō Shinsui e a beleza da mulher japonesa

Pintura japonesa
Itō Shinsui, "Mulher Olhando para o Espelho" (detalhe), 1916
As primeiras décadas do século XX marcaram um momento de grande industrialização e modernização no Japão, um país que sempre soube preservar a sua cultura. Ocorreu então um choque entre as ideologias ocidentais e os valores japoneses tradicionais. Itō Shinsui (1898-1972), um dos artistas gráficos japoneses mais conhecidos no ocidente, cresceu e desenvolveu suas primeiras obras durante este período de agitação cultural. No entanto, mais de dois terços de suas gravuras são retratos de mulheres com roupas tradicionais japonesas e penteados correspondentes ao ideal de beleza local. As composições são de extrema perfeição técnica e as impressões conhecidas como ukiyo-e (imagens do mundo flutuante em tradução literal — ler mais sobre o movimento nesta postagem do Mundo de K).

Pintura japonesa
Gravuras de Itō Shinsui de 1923, 1936 e 1929
Se por um lado a inspiração de seus retratos é totalmente originada na tradição oriental, o realismo figurativo dos desenhos comprova a familiaridade com a arte moderna importada do ocidente. A mostra "New Women for a New Age - Japanese Beauties, 1890s-1930", atualmente em exibição no Museum of Fine Arts de Boston, avalia a transformação da imagem das mulheres japonesas por meio das impressões, ilustrações de livros e fotografias feitas no Japão à partir da década de 1890 até a década de 1930. A arte de Itō Shinsui continuou fiel à delicadeza e tradição dos temas japoneses como podemos comprovar na ilustração abaixo de 1955. Para conhecer mais sobre o trabalho deste artista e outros ligados ao movimento, recomendo visitar o site ukiyo-e.org (japanese woodblock print search) que disponibiliza um banco de dados com mais de 200.000 imagens de diversos museus, universidades e bibliotecas.

Pintura japonesa
Gravura de Itō Shinsui de 1955
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Ian McEwan - Enclausurado

20 problemas que somente os apaixonados por livros podem entender

As 20 melhores distopias da literatura

Amós Oz e David Grossman avançam para a shortlist do Man Booker International Prize 2017

Os cães coloridos, dois poetas brasileiros que não podemos esquecer

As 20 melhores utopias da literatura