20 personagens mentalmente desequilibrados

O desequilíbrio mental a que me refiro nesta lista pode ser o produto de uma abordagem poética, representando a inadaptação do personagem ao meio social existente ou um desequilíbrio de origem puramente fisiológica/psíquica, seja do personagem ou até mesmo do próprio autor, ambos os casos podem ser facilmente identificados na relação.

Entendo que as escolhas são bons exemplos da mais pura sensibilidade literária e que representam, em última análise, o homem e sua eterna busca de sentido para o incompreensível mundo ao seu redor.

Segue a lista que já nasce incompleta para um tema tão ambicioso e cada vez mais atual. Vale lembrar que talvez alguns personagens ou autores não sejam tão desequilibrados assim, mas isso é mera questão de ponto de vista.




01. Príncipe HamletWilliam Shakespeare - Hamlet (1600)

02. Dom QuixoteMiguel de Cervantes - Dom Quixote (1605)

03. WertherGoethe - Os Sofrimentos do Jovem Werther (1774)

04. O assassinoEdgar Allan Poe - Coração Denunciador (1843)

05. Capitão AhabHerman Melville - Moby Dick (1851)

06. RaskólhnikovFiódor Dostoiévski - Crime e Castigo (1867)

07. Dr. Simão BacamarteMachado de Assis - O Alienista (1881)

08. Dorian GrayOscar Wilde - O Retrato de Dorian Gray (1890)

09. Antônio ConselheiroEuclides da Cunha - Os Sertões (1902)

10. Josef KFranz Kafka - O processo (1914)

11. Gregor SamsaFranz Kafka - A Metamorfose (1915)

12. Lima BarretoLima Barreto - O Cemitério dos Vivos (1921)

13. Henry MillerHenry Miller - Tópico de Câncer (1934)

14. Luís da SilvaGraciliano Ramos - Angústia (1936)

15. Perry SmithTruman Capote - A Sangue Frio (1965)

16. O motoristaRubem Fonseca - Passeio Noturno I e II (1975)

17. Daniel QuinnPaul Auster - Trilogia de Nova York (1985)

18. Henry ChinaskyCharles Bukowski - Hollywood (1989)

19. Edgar StarkPatrick McGrath - Manicômio (1996)

20. KaOrhan Pamuk - Neve (2002)

Não poderia terminar sem citar um dos maiores "desequilibrados" da lista que conseguiu unir as duas pontas, entre poesia e loucura, no autobiográfico "O Cemitério dos Vivos", Lima Barreto (1881-1922): "Vista assim de longe, a noção de horror que se tem da loucura não parte da verdadeira causa. O que todos julgam é que a coisa pior de um manicômio é o ruído, são os desatinos dos loucos, o seu delirar em voz alta. É um engano. Perto do louco, quem os observa bem, cuidadosamente, e une cada observação a outra, as associa num quadro geral, o horror misterioso da loucura é o silêncio, são as atitudes, as manias mudas dos doidos."
24 comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 melhores distopias da literatura

Longlist do Man Booker Prize 2017

Paul Celan e o poema hermético

A arte de escrever crônicas

20 personagens femininas da literatura mundial

O Idiota - Fiódor Dostoiévski