Juan Carlos Onetti - A vida breve


Juan Carlos Onetti - A vida breve - Editora Planeta - 319 páginas - Publicação 2004 - Tradução de Josely Vianna Baptista.
Realidade e ficção se confundem na prosa dolorosa, amarga e desesperançada do uruguaio
Juan Carlos Onetti (1909 - 1994), referência e influência na literatura moderna latino-americana em obras de escritores como Carlos Fuentes e Mario Vargas Llosa. O argentino Julio Cortázar (1914 - 1984) outro escritor difícil e original, apontava Onetti como "o maior romancista latino-americano".
Em "A vida breve", considerado pelo próprio Onetti como seu melhor romance e publicado originalmente em 1950, o publicitário fracassado Juan María Brausen, está obcecado pela intervenção cirúrgica que sua mulher sofrerá para retirada de um seio, como Onetti descreve pela ausência no seguinte trecho:
"Então terá chegado a hora de minha mão direita, a hora da farsa de apertar no ar, exatamente, uma forma e uma resistência que já não existiam e que ainda não tinham sido esquecidas por meus dedos. Minha mão terá medo de tornar-se exageradamente côncava, meus dedos terão de roçar a superfície áspera ou escorregadia, desconhecida e sem promessa de intimidade, da cicatriz redonda."
É um tema frio e incômodo, originando um processo contínuo de fuga da realidade, baseado na desintegração progressiva da personalidade de Juan María Brausen que passa a escutar, através da parede de seu apartamento, as conversas e encontros da prostituta Queca e acaba se envolvendo com ela, transformando-se, para esta finalidade, no cafetão Juan María Acer. Este relacionamento, cada vez mais violento, acentua o caráter decadente da narrativa que acelera vertiginosamente quando Brausen-Acer acaba abandonado pela esposa e se envolvendo também com a cunhada Raquel.
Paralelamente à narrativa "real", Brausen escreve um roteiro para cinema, cujo personagem principal, o médico Días Grey, vende receitas de ampolas de morfina para a bela e sedutora Elena Sala. O roteiro é ambientado na cidade fictícia de Santa María, cenário de outros romances de Onetti. Esta cidade é bem diferente da Macondo, imaginada por Garcia Marquez em "Cem Anos de Solidão". Em Santa Maria não há espaço para o sonho, apenas o fracasso da aventura humana vivenciado por Brausen, Acer ou Dias Grey.
12 comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Fernando Morais - Corações Sujos

Tianjin Binhai Library, a mais nova biblioteca da China

As 20 melhores distopias da literatura

19ª Festa do Livro da USP

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura francesa