Jorge Luis Borges - A Biblioteca de Babel

A foto aí ao lado é do setor de teologia da biblioteca de Strahov, contida no segundo monastério mais antigo de Praga. A dica foi do blog sempre criativo do Alessandro Martins. O fato é que bibliotecas sempre me lembram do argentino Jorge Luis Borges (1899 - 1986) e por um motivo muito simples: ele foi, antes de tudo, um leitor extraordinário e compulsivo. Sua obra é famosa por tratar de temas filosóficos e fantásticos, em sua maior parte contos.

"A Biblioteca de Babel", conto incluído no livro "Ficções" de 1944 é um exemplo marcante do estilo de Borges:

"O universo (que outros chamam a Biblioteca) compõe-se de um número indefinido, e talvez infinito, de galerias hexagonais, com vastos poços de ventilação no centro, cercados por balaustradas baixíssimas. De qualquer hexágono, vêem-se os andares inferiores e superiores: interminavelmente."

"Como todos os homens da Biblioteca, viajei na minha juventude; peregrinei em busca de um livro, talvez do catálogo de catálogos; agora que meus olhos quase não podem decifrar o que escrevo, preparo-me para morrer, a poucas léguas do hexágono onde nasci. Morto, não faltarão mãos piedosas que me joguem pela balaustrada; minha sepultura será o ar insondável; meu corpo cairá demoradamente e se corromperá e dissolverá no vento gerado pela queda, que é infinita."

O próprio Borges, desde a infância, sofreu de problemas de visão. Depois de oito operações , ele não conseguia mais ler e escrever e admitia, com resignação, que em sua cegueira nada havia de dramático ou patético, comentando: "...esplêndida ironia de Deus em conceder-me a um só tempo oitocentos mil livros e a escuridão".

13 comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

My Question for Myself

As 20 melhores distopias da literatura

Hilda Hilst - Da poesia

As 20 melhores utopias da literatura

Os meninos da rua Paulo - Ferenc Molnár

O Idiota - Fiódor Dostoiévski