Ernesto Sabato - Sobre Heróis e Tumbas

Literatura argentinaErnesto Sabato - Sobre Heróis e Tumbas - Editora Companhia das Letras - 623 páginas - Publicação 2002 - Tradução de Rosa Freire d'Aguiar.

Certos livros são inesquecíveis, ou melhor, nunca nos abandonam. É o caso deste "Sobre Heróis e Tumbas" do argentino Ernesto Sabato, prêmio Miguel de Cervantes de Literatura de 1984 e um dos maiores romancistas do século XX. O romance se divide em três narrativas, a paixão doentia do jovem Martín por Alejandra, a desonrosa fuga do general Juan Lavalle, herói da independência argentina, para o exílio, com os sobreviventes de seu exército e a investigação fantástica sobre a Seita dos Cegos. O próprio Sabato define melhor do que ninguém o seu trabalho nesta frase: "A diferença entre um romancista e um louco é que o primeiro pode ir até a loucura e voltar". Entre tantas passagens dignas de nota, o trecho abaixo, doloroso e angustiante, devo alertar, mostra bem porque não se consegue escapar sem marcas desta leitura:

"Mas nem sempre os homens sentados e pensativos são velhos ou aposentados.

Às vezes são homens relativamente moços, indivíduos de trinta ou quarenta anos. E, coisa curiosa e digna de reflexão (pensava Bruno), parecem tão mais patéticos e desvalidos quanto mais jovens são. Pois o que pode haver de mais pavoroso do que um rapaz sentado e pensativo num banco de praça, angustiado por seus pensamentos, calado e alheio ao mundo a seu redor? Às vezes, o homem ou rapaz é um marinheiro; outras vezes, talvez seja um emigrante que gostaria de regressar à pátria e não pode; volta e meia são criaturas incapazes para a vida, ou que deixaram a casa para sempre ou meditam sobre sua solidão e seu futuro. Ou pode ser um rapazinho como o próprio Martín, que começa a ver com horror que o absoluto não existe.

Ou também pode ser um homem que perdeu o filho e que, de volta do cemitério, se encontra sozinho e sente que agora sua existência carece de sentido, refletindo que, enquanto isso, há homens por aí que riem ou são felizes (mesmo sendo apenas momentaneamente felizes), meninos que brincam no parque, ali (está vendo-os), enquanto seu próprio filho está debaixo da terra, num caixão pequeno adequado ao tamanhinho de seu corpo que, quem sabe, finalmente deixará de lutar contra um inimigo atroz e desproporcional. E esse homem sentado e pensativo medita de novo, ou pela primeira vez, sobre o sentido geral do mundo, pois não consegue entender por que seu filho precisou morrer assim, por que teve de pagar por um pecado de outros, com sofrimentos imensos, com seu coraçãozinho torturado pela asfixia ou paralisia, lutando desesperadamente, sem saber por quê, contra as sombras negras que começam a se abater sobre ele.

E este, sim, é um homem desamparado. E, coisa curiosa, pode não ser pobre, é até possível que seja rico, e até poderia ser o Grande Banqueiro que planejava a formidável Operação com divisas fortes, evocada antes com ironia e desdém. Desdém e ironia (agora era fácil entender) que, como sempre, eram excessivos e definitivamente injustos. Não há homem que, em última instância, mereça o desdém e a ironia, já que, cedo ou tarde, com divisas fortes ou não, ele é atingido pelas desgraças, pelas mortes dos filhos, ou irmãos, por sua própria velhice e solidão diante da morte. Terminando, enfim, mais inválido que ninguém, pela mesma razão que é mais indefeso o homem de guerra flagrado sem sua cota de malhas do que o insignificante homem de paz que, por nunca ter tido esta proteção, tampouco sente sua falta."
13 comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Os 20 melhores sites literários na internet

As 20 melhores distopias da literatura

Os meninos da rua Paulo - Ferenc Molnár

As 20 melhores utopias da literatura

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

Explicação da Eternidade, um poema de José Luís Peixoto