António Lobo Antunes

Literatura portuguesaO escritor português António Lobo Antunes foi premiado em segundo lugar no Portugal Telecom 2008 com o romance "Eu hei-de amar uma pedra", no entanto ele não esteve presente à cerimônia devido, como explicou o apresentador, "a suas peculiaridades". 

Esta característica polêmica do autor, talvez tenha sempre chamado mais atenção da mídia do que suas obras, normalmente complexas, que exigem algum esforço do leitor devido à mudança constante da voz do narrador (polifonia) e a mistura entre passado e presente (simultaneidade). Ele é frequentemente citado pela crítica como verdadeiro merecedor do Nobel de literatura em língua portuguesa, em detrimento de José Saramago.

António Lobo Antunes nasceu em Lisboa, em 1942. Médico psiquiatra, foi convocado pelo exército português para servir na guerra em Angola, tornou-se internacionalmente conhecido com o seu segundo romance "Os cus de judas" (1979), sobre o conflito e a independência angolanos. O trecho abaixo, retirado deste livro, é um exemplo maravilhoso da arte de escrever:

"Luanda começou por ser um pobre cais sem majestade cujos armazéns ondulavam na umidade e no calor. A água assemelhava-se a creme solar turvo a luzir sobre pele suja e velha que cordas podres sulcavam de veias ao acaso. Negros desfocados, no excesso de claridade tremula, acocoravam-se em pequenos grupos, observando-nos com a distração intemporal, ao mesmo tempo aguda e cega, que se encontra nas fotografias que mostram os olhos voltados para dentro de John Coltrane quando sopra no saxofone a sua doce amargura de anjo bêbedo, e eu imaginava diante dos beiços grossos de cada um daqueles homens um trompete invisível, pronto a subir verticalmente no ar denso como as cordas dos faquires.

Em "Fado Alexandrino" (1983), um grupo de cinco ex-militares se reencontra num jantar para relembrar a guerra em comemoração aos dez anos de retorno de Moçambique. Alternando tempo e espaço em uma narrativa não linear, o autor apresenta a sua história como um quebra-cabeça.

Já no romance "Exortação aos crocodilos" (1999), Lobo Antunes reduziu as diversas vozes narrativas para quatro vozes femininas. Através de monólogos interiores, lançados como estilhaços de memória e fragmentos, de cada uma das personagens, é narrada a história de uma rede de extrema direita que planeja atentados terroristas em Portugal nos anos setenta.

As citações abaixo explicam um pouco as tais "peculiaridades" mencionadas pelo apresentador do prêmio Portugal Telecom:

"Ninguém escreve assim. Não tenho a menor dúvida de que não há, na língua portuguesa, quem me chegue aos calcanhares."

"Tenho a certeza de que os meus livros são muito mais importantes do que qualquer Nobel que me possam dar."

"Os bons escritores são pessoas que não mentem no seu trabalho."

"Qualquer entrevista é muito inferior a um livro. O livro permite corrigir-se. A entrevista necessariamente está cheia de lugares comuns."

"Temos de aceitar que há livros muito bons de que não gostamos e livros de que gostamos que podem não ser bons."

"Saber ler é tão difícil como saber escrever."

Finalmente, ninguém melhor do que o próprio Antônio Lobo Antunes para se definir, como no vídeo promocional abaixo de seu último romance "O arquipélago da insônia":

17 comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

100 Livros Notáveis em 2017 - New York Times

Fernando Morais - Corações Sujos

Tianjin Binhai Library, a mais nova biblioteca da China

As 20 melhores distopias da literatura

19ª Festa do Livro da USP

As 20 obras mais importantes da literatura francesa