Edward Thomas - Rain

Poesia inglesa Em Fevereiro deste ano fiquei conhecendo o poeta inglês Edward Thomas (1878-1917), através da seção "Poem of the week" do jornal Guardian. Desde então, a tristeza e solidão evocadas pela atmosfera do poema "Rain" ficaram guardadas no meu inconsciente, até que decidi dividir hoje um pouco desta experiência. Todos os poemas de Edward Thomas foram escritos no período de Dezembro 1914 até Janeiro 1917 (menos de 150 poemas), incluindo "Rain", criado durante o período de treinamento no exército inglês, antes de partir para a França, onde viria a morrer na batalha de Arras, durante a primeira grande guerra.

Edward Thomas, formalmente conhecido como jornalista, crítico literário e autor de ensaios foi incentivado a escrever poesias pelo amigo e poeta americano Robert Frost (1874-1963) para quem desabafou, em uma de suas últimas cartas, o seguinte pensamento:

"I should like to be a poet just as I should like to live, but I know as much about my chances in either case, and I don't really trouble about either. Only I want to come back more or less complete ."

"Eu deveria gostar de ser um poeta, assim como deveria gostar de viver, mas eu conheço muito bem as minhas chances em qualquer dos casos, e eu realmente não me preocupo sobre ambos. Eu quero somente voltar mais ou menos completo."

Compreendemos, portanto, como fica clara neste contexto a origem da atmosfera melancólica do poema "Rain". Apesar da imagem tão desgastada da chuva na cultura clássica e também popular, é surpreendente o efeito ainda forte obtido nesta composição. Edward Thomas é normalmente classificado como um poeta da primeira grande guerra mundial (ver original manuscrito do poema aqui).

'Rain'

Rain, midnight rain, nothing but the wild rain
On this bleak hut, and solitude, and me
Remembering again that I shall die
And neither hear the rain nor give it thanks
For washing me cleaner than I have been
Since I was born into this solitude.
Blessed are the dead that the rain rains upon:
But here I pray that none whom once I loved
Is dying tonight or lying still awake
Solitary, listening to the rain,
Either in pain or thus in sympathy
Helpless among the living and the dead,
Like a cold water among broken reeds,
Myriads of broken reeds all still and stiff,
Like me who have no love which this wild rain
Has not dissolved except the love of death,
If love it be towards what is perfect and
Cannot, the tempest tells me, disappoint.

Edward Thomas
10 comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

George Saunders - Man Booker Prize 2017

As 20 melhores distopias da literatura

Os meninos da rua Paulo - Ferenc Molnár

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

Crianças