Rubem Fonseca - O Seminarista

Editora AgirRubem Fonseca - O Seminarista - Editora Agir - 181 páginas - Publicação 2009.

Os fãs do mineiro Rubem Fonseca podem ficar felizes, ele está de volta com mais um livro no estilo de O Caso Morel (1973), Feliz Ano Novo (1975), O Cobrador (1979), A Grande Arte (1983) e Agosto (1990), entre outros dignos representantes do policial de suspense nacional. Neste seu último romance, O Seminarista, agora por uma nova editora, a Agir, Rubem Fonseca utiliza a sua narrativa em primeira pessoa, tensa e cinematográfica, juntamente com os ingredientes tradicionais de violência e sensualidade questionados por uma parcela da crítica, fato que parece não incomodar o autor do alto de seus cinco prêmios Jabuti e dois prêmios internacionais: Juan Rulfo e Camões.

Esta é a história de José, um matador de aluguel que trabalha sem remorsos, mas também sem prazer e que Fonseca apresenta claramente logo no primeiro parágrafo: "Sou conhecido como o Especialista, contratado para serviços específicos. O Despachante diz quem é o freguês, me dá as coordenadas e eu faço o serviço (...)". Na seguência são descritos os últimos "serviços" e detalhes das execuções, sempre eficientes com um tiro de pistola na cabeça das vítimas ou "fregueses" que, diga-se de passagem, têm sempre um histórico desabonador. Este profissional decide trocar de nome e se aposentar, passando a dedicar-se integralmente aos seus prazeres: livros, filmes e mulheres. Na verdade, todo o romance é pontuado por citações em latim de Horácio, Cícero, Virgílio, Petrarca e Santo Agostinho, herança da formação cultural do protagonista como seminarista.

Naturalmente que a postura impessoal do personagem tende a mudar quando ele se envolve com uma mulher misteriosa e que tem relação direta com seu passado de assassino profissional. A resenha de um livro como este não deve avançar mais sob pena de estragar a surpresa dos leitores, mas posso garantir que é um livro que se lê muito rapidamente e quase sem parar.

Para saber mais sobre Rubem Fonseca, recomendo a matéria da revista online Bravo que apresenta muitos detalhes sobre a vida um tanto o quanto misteriosa do autor, como nesta parte: "Hoje José Rubem não precisa mais se isolar para escrever. Ele mora sozinho num apartamento no bairro carioca do Leblon. Um apartamento que, aos poucos, vem se transformando numa biblioteca. O escritor costuma dizer aos amigos que lê um livro por dia, e os livros vão se acumulando. De tempos em tempos, José Rubem tem que comprar uma estante nova. O filho José Henrique calcula que haja lá cerca de 8 mil livros. "O apartamento está todo tomado de estantes, falta apenas a cozinha", diz ele".
17 comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 melhores resenhas do Mundo de K em 2017

As 20 melhores distopias da literatura

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

Fernando Morais - Corações Sujos

Vencedores do Prêmio Jabuti 2017