Alberto da Cunha Melo

O cão de ohos amarelos
O site da poeta Bruna Beber destacou um poema do pernambucano José Alberto Tavares da Cunha Melo que, apesar de já ter publicado 17 livros e ter sido incluído em 32 antologias, não é conhecido e, principalmente, reconhecido pelo grande público brasileiro como certamente seria se fosse originário do badalado eixo Rio-São Paulo.

O poeta conseguiu maior projeção nacional com o lançamento do seu livro "O Cão de Olhos Amarelos", (Editora A Girafa, 227 páginas), uma edição comemorativa dos seus 40 anos de poesia, premiado pela Academia Brasileira de Letras, em 2007, como o melhor livro de poesia publicado no ano de 2006. Ainda é muito pouco para um autor que dispensa apresentações e explicações. Por exemplo, não consigo imaginar título menos poético do que Relógio de Ponto, mas leiam com atenção o poema abaixo e certamente ficarão surpreendidos pela força e originalidade das imagens e, afinal, não há motivos para preocupação pois, como diz o poeta, tudo que levamos a sério torna-se amargo, mesmo as vitórias.


RELÓGIO DE PONTO
(Alberto da Cunha Melo)

Tudo que levamos a sério
torna-se amargo. Assim os jogos,
a poesia, todos os pássaros,
mais do que tudo: todo o amor.

De quando em quando faltaremos
a algum compromisso na Terra,
e atravessaremos os córregos
cheios de areia, após as chuvas.

Se alguma súbita alegria
retardar o nosso regresso,
um inesperado companheiro
marcará o nosso cartão.

Tudo que levamos a sério
torna-se amargo. Assim as faixas
da vitória, a própria vitória,
mais do que tudo: o próprio Céu.

De quando em quando faltaremos
a algum compromisso na Terra,
e lavaremos as pupilas
cegas com o verniz das estrelas.
8 comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

A arte de escrever crônicas

As 20 melhores distopias da literatura

Paul Celan e o poema hermético

O Idiota - Fiódor Dostoiévski

As 20 melhores utopias da literatura

20 personagens femininas da literatura mundial