Giuseppe Ungaretti - Vita d'un uomo

Literatura italiana
O poeta italiano Giuseppe Ungaretti (1888-1970) estudou na Sorbonne de Paris onde foi influenciado pelos simbolistas franceses, em especial Mallarmé, conviveu com os mestres do modernismo: Apollinaire, Paul Valéry e André Gide. Em 1936 morou no no Brasil aceitando a cátedra de língua e literatura italiana na USP e retornou para a Itália em 1943 passando a lecionar como professor de literatura moderna e contemporânea na Universidade de Roma. É considerado por muiitos críticos como um dos mais representativos poetas italianos do século XX e um dos fundadores da escola hermética na Itália, juntamente com Eugenio Montale (1896-1981) e Salvatore Quasimodo (1901-1968). Ungaretti foi menos premiado que os dois conterrâneos, talvez por suas ideias políticas fascistas. A Editora Mondadori publicou toda a sua obra em um volume chamado de Vita d'un uomo, dividido em poesia, traduções, prosa de viagens e Ensaios.

Seus poemas são sempre muito curtos e sem pontuação, mas a aparente simplicidade pode levar a enganos quando somos surpreendidos pelo lirismo de suas imagens na forma mais pura possível.


Lontano
(Versa, 15/02/1917)

Lontano lontano
come un cieco
m'hanno portato per mano

Longe
(tradução de Luis Pignatelli)

Longe longe
como a um cego
me levaram pela mão

Notte
(Vallone, 20/04/1917)

In quest'oscuro
colle mani
gelate
distinguo
il mio viso

Mi vedo
abbandonato nell'infinito

Noite
(tradução de Luis Pignatelli)

Nesta escuridão
com as mãos
geladas
distingo
a minha cara

Vejo-me
abandonado no infinito

Os dois exemplos acima foram retirados do volume Giuseppe Ungaretti - Vida de um Homem (Escolha poética), Hiena Editora, tradução do italiano de Luis Pignatelli, tiragem de 1000 exemplares. Lisboa, Janeiro de 1987.
6 comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

20 frases que mostram como o xadrez não é um jogo

As 20 melhores distopias da literatura

As 20 capas de discos que marcaram época

Exposição World Press Photo 2017 no Rio de Janeiro

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

Sheyla Smanioto - Desesterro