Thomas Pynchon - Vício Inerente

Literatura norte-americana
Thomas Pynchon - Vício Inerente - Editora Companhia das Letras -  464 páginas - Tradução de Caetano W. Galindo - lançamento 22/11/2010 (ler aqui trecho em pdf disponibilizado pela editora).

Vencedor do National Book Awards de 1974 com o romance O "Arco-Íris da Gravidade", o norte-americano Thomas Pynchon já tem o seu nome consolidado entre os maiores escritores contemporâneos em língua inglesa. Harold Bloom chegou a compará-lo com  autores do nível de Don DeLillo, Philip Roth e Cormac McCarthy. A fama de recluso e inacessível, já que nunca concede entrevistas, foi mantida por Thomas Pynchon durante muitos anos e essa técnica de marketing, intencional ou não, também ajuda bastante na divulgação de seus principais romances: O Leilão do Lote 49, Mason e Dixon e Vineland, todos já publicados no Brasil pela Companhia das Letras.

Neste seu último romance, Vício Inerente, Pynchon criou um personagem desconcertante, inspirado nos livros de literatura policial de Dashiel Hammet e Raymond Chandler, o detetive particular Doc Sportello que sobrevive na cidade de Los Angeles no início dos anos 1970 no final da era da contra-revolução hippie, uma época marcada pelos crimes de Charlie Manson e a perda da ingenuidade da cultura Flower Power. Doc Sportello é um usuário compulsivo de alguns tipos de droga, como a maconha, que ele consome em grandes quantidades, hábito que faz com que o seu raciocíno seja totalmente influenciado por viagens psicodélicas ou surtos de paranoia. Mesmo assim ele consegue progredir em um ritmo alucinante em suas  confusas investigações sobre o desaparecimento de um empresário do ramo imobiliário, parte de uma  pretensa conspiração maior que envolve traficantes, policiais corruptos, FBI e uma estranha organização chamada de Caninos Dourados.

Uma parte bastante interessante do enredo é a série de citações sobre músicas da época que Pynchon desenvolve durante o romance, sendo que inclusive um dos personagens é um saxofonista de surf music que reaparece na trama após ter morrido por overdose. Existem na internet duas playlists diferentes sobre a trilha sonora do romance  que teriam sido elaboradas pelo próprio Thomas Pynchon, por mais absurdo que isto possa parecer, mas ainda assim uma possibilidade viável considerando  a personalidade original de Pynchon. Uma  das listas em um site criado por fãs chamado de inherent-vice.pynchonwiki.com (clique aqui) e outra no site da amazon (clique aqui).
5 comentários
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

20 frases que mostram como o xadrez não é um jogo

Paul Auster avança para a shortlist do Man Booker Prize 2017

As 20 melhores distopias da literatura

Sheyla Smanioto - Desesterro

As 20 capas de discos que marcaram época

20 personagens femininas da literatura mundial