J.M. Coetzee - Homem Lento

Prêmio Nobel Literatura
J.M. Coetzee - Homem Lento - Editora Companhia das Letras - 280 páginas - Lançamento 18/06/2007 - Tradução de José Rubens Siqueira.

Paul Rayment é um típico protagonista desesperançado de Coetzee, um personagem triste e solitário, fotógrafo aposentado aos sessenta, divorciado e sem filhos, também sem parentes próximos e pais já falecidos. Bem, a sua vida está para piorar muito quando ao voltar de suas compras rotineiras, de bicicleta, recebe uma violenta colisão de um carro dirigido por um jovem. O acidente que abre o romance terá consequências trágicas para Paul Rayment que, antes que possa perceber o que está ocorrendo, sofrerá uma intervenção cirúrgica de emergência e a amputação de sua perna direita, uma continuação brutal do acidente e que mudará radicalmente a sua forma de encarar as perdas.
"O choque o colhe pela direita, duro, surpreendente e doloroso, como uma faisca elétrica, e levanta seu corpo da bicicleta. Relaxe!, ele diz a si mesmo enquanto voa pelo ar (...) Como um gato, diz a si mesmo: role, depois se ponha de pé, pronto para o que vier em seguida (...) Mas não é bem assim que as coisas acontecem. Seja porque suas pernas desobedecem, seja porque de momento está tonto (ouve, mais do que sente, o impacto do crânio no asfalto, distante, oco, como um golpe de marreta), ele absolutamente não se levanta; ao contrário, desliza metro após metro, sem parar, até se sentir quase embalado pelo deslizar."
A maneira como Coetzee conduz o início do romance, do acidente até os primeiros cuidados no hospital, é simplesmente magistral. O nosso pobre protagonista está entregue à própria sorte em um mundo onde tudo parece estar envolto em uma "brancura inexorável" e tenta manter a sua dignidade, coisa que ele logo descobrirá ser impossível na sua condição atual. Esta luta contra a enfermidade, a velhice e a morte próxima é o tema principal deste romance, mas é uma luta muito desigual e injusta, como Coetzee não faz questão de esconder:
"O amor que ele pudesse ter tido pelo próprio corpo há muito desapareceu. Não tem interesse em consertá-lo, fazer com que volte a alguma eficiência ideal. O homem que era é apenas uma lembrança, e uma lembrança que depressa se apaga. Ainda tem a sensação de ser uma alma com uma vida anímica não diminuída; quanto ao resto, ele é apenas um saco de sangue e ossos que é forçado a carregar."
Paul Rayment tenta se agarrar a tudo o que ainda possa resgatar a sua humanidade ameaçada, inclusive a busca pelo amor na forma que for possível, mesmo que na imagem da enfermeira Marijana, imigrante croata casada e com três filhos, que o acompanha em casa durante a reabilitação.
"Um homem e uma mulher em uma tarde quente, por trás de portas fechadas. Podiam estar realizando um ato sexual. Mas não é nada disso. É apenas enfermagem, apenas cuidados (...) Uma frase da aula de catecismo de meio século atrás flutua em sua mente: 'não haverá mais homem e mulher, mas...' Mas o quê — o que seremos quando estivermos além de homem e mulher? Impossível para a mente mortal conceber. um dos mistérios."
Uma outra personagem famosa de dois romances anteriores do autor, a escritora Elizabeth Costello, alterego de Coetzee (ler aqui resenha do Mundo de K), entra na trama de maneira original e surpreendente, ajudando Coetzee a desenvolver as questões éticas e filosóficas da situação de Paul Rayment e a questão dos limites estreitos entre realidade e ficção.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

As 20 melhores distopias da literatura

My Question for Myself

Hilda Hilst - Da poesia

Os meninos da rua Paulo - Ferenc Molnár

As 20 melhores utopias da literatura