Krishna Monteiro - O que não existe mais

Literatura brasileira contemporânea
Krishna Monteiro - Editora Tordesilhas - 112 páginas - Prefácio de Noemi Jaffe - Lançamento: Fevereiro 2015 (Leia aqui um trecho disponibilizado pela editora).

Já disse uma vez o poeta Manoel de Barros que "as coisas que não existem são mais bonitas" (poema Mundo Pequeno), pois o jovem autor estreante Krishna Monteiro nos ensina agora uma coisa que já deveríamos saber também, que a lembrança deixada pelas coisas e pessoas que já não existem permanece existindo e se renovando em nossa memória. O tema e a capa desta edição podem induzir uma ideia de simplicidade, no entanto a criatividade na construção dos sete contos que compõem este livro chama a atenção pela ousadia, exigindo atenção redobrada para perceber as sutilezas entre o que é revelado e, principalmente, não revelado pelo autor em um jogo de descobertas que provoca todo o tempo a imaginação do leitor.

O primeiro conto que empresta o título ao livro explora a vertente mais óbvia da ausência — a dor e o desajuste de um filho diante da morte do pai. O sentimento de perda e a lembrança estão ainda tão presentes que o filho questiona a realidade e chega a pensar que ele sim é o morto, enquanto o pai permanece vivo. Quem já passou por uma experiência de perda familiar vai se identificar de alguma forma.

Mas é em "Quando dormires, cantarei" que Krishna Monteiro encanta pela coragem ao fazer do seu narrador um galo de briga lutando pela vida em plena rinha, enquanto relembra toda a sua vida até aquele momento. A narrativa vai intercalando os momentos de dramaticidade da luta mortal com as lembranças do galo, no seu entendimento parcial do mundo e da humanidade covarde que é capaz de promover uma atividade como aquela. É preciso muita técnica para um escritor arriscar um conto como este.

"Monte Castelo" é uma bela história de amizade entre neto e avô que se afastam por desentendimentos familiares, mas permanecem ligados pelas memórias que o avô transmitiu ao neto do famoso combate com a participação dos pracinhas brasileiros na Segunda Grande Guerra. A epígrafe, citação de Clarice Lispector, adverte para os riscos da lembrança: "Escrever é tantas vezes lembrar do que nunca existiu."

Krishna Monteiro nasceu em 1973, no Paraná. Graduou-se em economia e fez mestrado em ciências políticas. Depois de uma breve passagem pelo jornalismo, em 2008 ingressou na carreira diplomática. Entre os anos de 2010 e 2012 trabalhou com vice-chefe de missão da embaixada brasileira no Sudão. Atualmente é cônsul adjunto do Brasil em Londres.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

20 frases que mostram como o xadrez não é um jogo

As 20 melhores distopias da literatura

As 20 capas de discos que marcaram época

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

Exposição World Press Photo 2017 no Rio de Janeiro

Sheyla Smanioto - Desesterro