20 citações para conhecer a sabedoria de Mia Couto

Foto Beth Moon
Foto Beth Moon

Foi uma tarefa difícil selecionar apenas 20 citações do moçambicano Mia Couto, vencedor do prêmio Camões 2013 e primeiro autor em língua portuguesa a ser selecionado como finalista do Man Booker International Prize na sua versão de 2015. Quando buscamos uma citação em seus romances, a força do texto nos faz esquecer o senso prático e a vontade é reproduzir parágrafos inteiros. Mia Couto nos ensina em cada novo livro que sabedoria e inteligência são coisas bem diferentes e, principalmente, que viver pode ser uma coisa simples e bonita quando a poesia nos faz esquecer a violência do homem contra o homem, seja na África ou no Brasil. Cada citação está referenciada ao livro de origem, leia aqui a resenha do Mundo de K para o romance Mulheres de Cinzas.

(01) "Não me basta ter um sonho. Eu quero ser um sonho." - O Último Voo do Flamingo - Editora Companhia das Letras (2005);

(02) "O tempo é o eterno construtor de antigamentes." - O Último Voo do Flamingo - Editora Companhia das Letras (2005);

(03) "Matar o patrão? Mais difícil é matar o escravo dentro de nós." - O Último Voo do Flamingo - Editora Companhia das Letras (2005);

(04) "A maior desgraça de uma nação pobre é que, em vez de produzir riqueza, produz ricos." - Pensatempos - Editorial Caminho (Portugal 2005);

(05) "A saudade é uma tatuagem na alma: só nos livramos dela perdendo um pedaço de nós." - O Outro Pé da Sereia - Editora Companhia das Letras (2006);

(06) "O silêncio não é a ausência da fala, é o dizer-se tudo sem nenhuma palavra." - O Outro Pé da Sereia - Editora Companhia das Letras (2006);

(07) "A velhice é uma gordura na alma." - O Outro Pé da Sereia - Editora Companhia das Letras (2006);

(08) "A melhor maneira de mentir é ficar calado."O Outro Pé da Sereia - Editora Companhia das Letras (2006);

(09) "Eis a nossa sina: esquecer para ter passado, mentir para ter destino." - O Outro Pé da Sereia - Editora Companhia das Letras (2006);

(10) "O homem esquece para ter passado e mente para ter futuro." - O Outro Pé da Sereia - Editora Companhia das Letras (2006);

(11) "A velhice não nos dá nenhuma sabedoria, simplesmente autoriza outras loucuras." - A Varanda do Frangipani - Editora Companhia das Letras (2007);

(12) "O homem é como a casa: deve ser visto por dentro." - Terra Sonâmbula - Editora Companhia das Letras (2007);

(13) "A beleza daquela mulher era de fazer fugir o nome das coisas." - Terra Sonâmbula - Editora Companhia das Letras (2007);

(14) "O pessimismo é um luxo para os ricos." - E se Obama Fosse Africano? - Editora Companhia das Letras (2011);

(15) "Tristeza não é chorar. Tristeza é não ter para quem chorar." A Confissão da Leoa - Editora Companhia das Letras (2012);

(16) "Tenho de viver já, senão esqueço-me." Estórias Abensonhadas - Editora Companhia das Letras (2012);

(17) "O mar é o habilidoso desenhador de ausências." - Venenos de Deus, Remédios do Diabo - Editora Companhia das Letras (2012);

(18) "A descoberta de um lugar exige a temporária morte do viajante" Venenos de Deus, Remédios do Diabo - Editora Companhia das Letras (2012);

(19) "A janela: não é onde a casa sonha ser mundo?" - Estórias Abensonhadas - Editora Companhia das Letras (2012);

(20) "As mulheres são muito extensas, a gente viaja-lhes, e perdemo-nos sempre." - Cada Homem é uma Raça - Editora Companhia das Letras (2013).

Resenhas de romances de Mia Couto no Mundo de K: Terra Sonâmbula / Cada homem é uma raça / Vozes Anoitecidas /  Mulheres de Cinzas / Sombras da Água


Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Tianjin Binhai Library, a mais nova biblioteca da China

Fernando Morais - Corações Sujos

Jesmyn Ward vencedora do National Book Award 2017

As 20 melhores distopias da literatura

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

As 20 obras mais importantes da literatura francesa