Vencedores do Prêmio São Paulo de Literatura 2016

Prêmios literários nacionais

Divulgados os vencedores do Prêmio São Paulo de Literatura, versão 2016. Este ano, um total de 175 livros concorreram à premiação promovida pelo Governo do Estado de São Paulo em três categorias com os seguintes valores: R$ 200 mil, na categoria Melhor Livro de Romance do Ano; R$ 100 mil, na categoria Melhor Livro de Romance do Ano – Autor Estreante com mais de 40 anos e  R$ 100 mil, na categoria Melhor Livro de Romance do Ano – Autor Estreante com menos de 40 anos. Todos os livros foram publicados pela primeira vez em 2015. Segue relação dos vencedores com resumo biográfico disponibilizado pela organização e sinopse dos livros.

Melhor Livro de Romance do Ano, prêmio São Paulo Literatura
Beatriz Bracher, Melhor Livro de Romance do Ano - "Anatomia do Paraíso" (Editora 34) 

Nasceu em São Paulo, em 1961. Formada em Letras, foi uma das editoras da revista de literatura e filosofia 34 Letras, entre 1988 e 1991, e uma das fundadoras da Editora 34, onde trabalhou de 1992 a 2000. Em 2002 publicou Azul e dura, seu primeiro romance, seguido de Não falei (2004), Antônio (2007), os livros de contos Meu amor (2009), Garimpo (2013) e o romance Anatomia do paraíso (2015). Escreveu com Sérgio Bianchi o argumento do filme Cronicamente inviável (2000) e o roteiro do longa-metragem Os inquilinos (2009), prêmio de melhor roteiro no Festival do Rio 2009. Com Karim Aïnouz escreveu o roteiro de seu filme O abismo prateado (2011). O romance Antônio obteve em 2008 o Prêmio Jabuti (3º lugar), o Prêmio Portugal Telecom (2º lugar) e foi finalista do Prêmio São Paulo de Literatura. Meu amor recebeu o Prêmio Clarice Lispector, da Fundação Biblioteca Nacional, como melhor livro de contos de 2009. Garimpo venceu o Prêmio APCA na categoria Contos e Crônicas em 2013 e recebeu menção honrosa no Prêmio Casa de las Américas, de Cuba, em 2015.

Sinopse da Editora"Anatomia do Paraíso traz a história de um jovem estudante de classe média que escreve uma dissertação de mestrado sobre o Paraíso perdido (1667), poema épico de John Milton que narra a queda do homem e a expulsão de Adão e Eva do Paraíso. A história se desenvolve simultaneamente em vários planos: o dia a dia do estudante, Félix; suas reflexões sobre a obra de Milton; a dura vida de Vanda, vizinha de Félix, que se divide entre trabalho, estudo e os cuidados com a irmã mais nova; e o delicado processo de amadurecimento desta última, a adolescente Maria Joana. Narrativa densa, por vezes vertiginosa, e de alta carga dramática, na medida em que as trajetórias dos personagens vão se cruzando e os temas do Paraíso perdido - sexo, violência, pecado, culpa, traição, morte e redenção - ganham vida nas experiências de cada um."

Melhor Livro de Romance do Ano - Autor Estreante com menos de 40 anos
Rafael Gallo, Melhor Livro de Romance do Ano - Autor Estreante com menos de 40 anos - "Rebentar" (Editora Record)

Nascido em São Paulo, é formado em composição e regência musical pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Compositor e produtor, tem realizado diversos trabalhos para TV, cinema e outras mídias. Atua também como professor universitário nas áreas de design de som e trilha sonora para a produção audiovisual. Réveillon e outros dias, seu primeiro livro, foi vencedor do Prêmio SESC de Literatura de 2012, na categoria de contos. 

Sinopse da Editora: "Depois que seu filho desapareceu aos 5 anos, Ângela dedicou toda a sua vida à busca da criança. Parou de trabalhar, não teve mais filhos, afiliou-se a instituições de busca de crianças desaparecidas. Mas após trinta anos sem nenhum resultado, ela finalmente decide desistir completamente da procura. Além da própria dor e culpa, Ângela precisa enfrentar o julgamento de todos aqueles que de alguma forma estavam envolvidos com sua história. Rebentar é um corajoso e emocionante mergulho nas dores da perda."


Melhor Livro de Romance do Ano - Autor Estreante com mais de 40 anos
Marcelo Maluf, Melhor Livro de Romance do Ano - Autor Estreante com mais de 40 anos - "A imensidão íntima dos carneiros" (Editora Reformatório)

Nasceu em Santa Bárbara D’Oeste, no interior de São Paulo, em 1974. É músico e mestre em artes pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). É autor do livro de contos Esquece tudo agora (2012) e do infantil As mil e uma histórias de Manuela (2013). A imensidão íntima dos carneiros é o seu primeiro romance e foi finalista do Prêmio APCA em 2015. Vive em São Paulo desde 1999.

Sinopse da Editora: "Este é um romance sobre o medo e suas consequências. O medo da guerra, o medo de viver em plenitude, o medo do imigrante, o medo do desconhecido, o medo de se conhecer, o medo da morte, o medo do fracasso. O medo como herança familiar sobrevivendo por gerações e se infiltrando no inconsciente da família. Mas é, entretanto, também, um livro sobre redenção, sacrifício e transformação. Assaad Simão Maluf veio do Líbano para o Brasil ainda menino, depois de viver uma tragédia na família, no ano de 1920, período final do domínio do império otomano. Marcelo, seu neto, não o conheceu. Quando nasceu, em janeiro de 1974, Assaad Simão já havia falecido. Apenas sabia de seu avô pelas histórias que contavam os seus pais e tios. Da distância entre avô e neto, irrompe a narrativa deste romance evocativo, lírico e sensível."
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura argentina

As 20 melhores distopias da literatura

My Question for Myself

Objeto de Desejo

As 20 melhores utopias da literatura

Stormy Weather - Fotos da National Geographic