Cartas de amor

Cartas de amor deVita Sackville-West
William Strang, "Lady with a red hat" (um retrato de Vita Sackville-West), 1918
Vita Sackville-West (1892-1962) foi uma grande poeta, romancista e paisagista inglesa. No entanto, será sempre lembrada por ter tido um longo caso com Virgina Woolf (1882-1941) e inspirado uma das maiores obras da literatura ocidental, "Orlando". Desta relação ficaram muitas cartas de amor resgatadas no livro "The Letters of Vita Sackville-West to Virginia Woolf". Um belo exemplo de 1926, carta escrita na Itália, depois de uma primeira separação entre as duas, foi publicada no site da Paris Review; um texto que inicia com a seguinte confissão de Vita: "Estou reduzida a uma coisa que quer Virginia", simples e essencial. Ela não podia competir com o refinamento literário de Virginia, mas conseguiu atingir a beleza dos textos apaixonados. Segue abaixo em tradução minha para o português, assim como o texto original.
Estou reduzida a uma coisa que quer Virgínia. Eu escrevi uma linda carta para você nas horas de pesadelo insones da noite, e tudo se foi: eu só sinto sua falta, de uma forma muito simples e desesperadamente humana. Você, com todas as suas cartas inteligentes, nunca escreveria uma frase tão simples como esta; Talvez nem sequer a sentisse. E ainda assim eu acredito que você seria um pouco capaz. Mas transformaria este sentimento com uma sentença tão requintada que perderia um pouco da sua realidade. Considerando que comigo é tão óbvio: sinto a sua falta ainda mais do que eu poderia ter acreditado; E eu estava preparada para sentir muito a sua falta. Assim, esta carta é apenas um grito de dor. É incrível como você se tornou essencial para mim. Suponho que você esteja acostumada com as pessoas dizendo essas coisas. Maldita seja, criatura mimada; Eu não vou fazer você me amar mais, entregando-me assim — Mas, oh minha querida, eu não posso ser inteligente e distante com você: Eu te amo demais para isso. Muito verdadeiramente. Você não tem idéia de como eu posso estar distante de pessoas que eu não amo. Eu desenvolvi isto até o estado da arte. Mas você quebrou minhas defesas. E eu realmente não me lamento por isso ... 
Por favor, me perdoe por escrever uma carta tão infeliz.
V.
I am reduced to a thing that wants Virginia. I composed a beautiful letter to you in the sleepless nightmare hours of the night, and it has all gone: I just miss you, in a quite simple desperate human way. You, with all your un-dumb letters, would never write so elementary phrase as that; perhaps you wouldn’t even feel it. And yet I believe you’ll be sensible of a little gap. But you’d clothe it in so exquisite a phrase that it would lose a little of its reality. Whereas with me it is quite stark: I miss you even more than I could have believed; and I was prepared to miss you a good deal. So this letter is just really a squeal of pain. It is incredible how essential to me you have become. I suppose you are accustomed to people saying these things. Damn you, spoilt creature; I shan’t make you love me any the more by giving myself away like this — But oh my dear, I can’t be clever and stand-offish with you: I love you too much for that. Too truly. You have no idea how stand-offish I can be with people I don’t love. I have brought it to a fine art. But you have broken down my defences. And I don’t really resent it … 
 Please forgive me for writing such a miserable letter. 
 V.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 melhores distopias da literatura

Miriam Mambrini - Pássaros Pretos

Os meninos da rua Paulo - Ferenc Molnár

As 20 melhores utopias da literatura

Robert Bly

Orhan Pamuk - Uma Sensação Estranha