Matthew Scully - Domínio

Jornalismo literário
Matthew Scully - Domínio - Editora Civilização Brasileira - 546 Páginas - Tradução de Catharina Epprecht - Lançamento no Brasil: 26/03/2018

A humanidade tem se preocupado cada vez mais com o bem-estar dos animais, por outro lado nunca antes a tecnologia de extermínio e os métodos de impor sofrimento alcançaram níveis tão avançados, fazendo do nosso "domínio" sobre essas criaturas um ato contínuo de crueldade. O jornalista Matthew Scully escreve sobre uma realidade que evitamos conhecer em detalhes, constatando que o direito dos animais é um dos grandes dilemas morais da nossa época, principalmente quando esses direitos são ignorados devido a interesses econômicos. O autor avalia o tema de diferentes formas, seja por meio da ciência, filosofia ou religião, e a conclusão  óbvia é sempre a mesma: estamos errados.

Para provar seu argumento, Scully investiga as condições de tratamento dos animais em fazendas industrias onde porcos são confinados em massa, sem ver a luz do sol por toda a sua existência, geneticamente modificados e tornando-se unidades produtivas com o menor custo possível, o extermínio de baleias, golfinhos e demais animais selvagens como "os cinco grandes": rinoceronte, elefante, leopardo, leão e búfalo, muitas vezes por meio de "caça esportiva", uma absurda atividade que leva o caçador de troféus a perseguir e matar animais cativos e muitas vezes sedados. Enfim, um desfile de horrores que certamente deixará os leitores perplexos com a brutalidade do comportamento pretensamente "humano".
"Quando nos compadecemos com o sofrimento animal, esse sentimento fala sobre a humanidade, mesmo se o ignoramos. Aqueles que minimizam o amor por uma criatura semelhante a nós, chamando-o de sentimentalismo, rejeitam uma parte boa e importante da humanidade. (...) Ao mesmo tempo, como sempre haverá injustiça e sofrimento humano no mundo, pode parecer que os erros cometidos com animais sejam menores e secundários. A resposta para as duas questões é que a justiça não é uma mercadoria limitada, tampouco a bondade e o amor. Injustiça e sofrimento não são desculpas para acreditar que fazer mal aos animais é menos importante do que aos humanos e que, por isso, devemos nos concentrar nesses últimos. Um erro é um erro, e em geral os pequenos, quando fingimos não vê-los, proliferam-se e fazem os maiores males a nós mesmos e a outros. Acredito que isso acontece hoje em relação aos animais." (Pág. 15)
Um dos maiores abusos ao direito constitucional norte-americano à posse de armas de fogo, garantida pela Associação Nacional de Rifles, está representado em uma associação chamada Safari Club International (SCI) que apoia a ideia de que "a caça não é apenas a trilha para o sagrado — é também um imperativo de saúde". Esta associação, sediada em Tucson, no Arizona, tem um status de entidade filantrópica obtido após disputa judicial em 1985 o que lhe autoriza isenção fiscal. O autor acompanha uma convenção da SCI em Reno, Nevada, na qual participam as agências que organizam caçadas na África, assim como fabricantes de armamentos como a Holland and Holland, a primeira fabricante de rifles de Londres com o seu modelo para caça de elefantes, a Nitro Express, que custa US$ 105 mil. Como podemos constatar, um negócio lucrativo que movimenta milhões de dólares anualmente.
"A mercadoria mais cara desse lugar parece ser o pacote de rinoceronte branco, a US$ 210 mil — e isso sem contar a preparação e a entrega do material na volta para os Estados Unidos. (...) As contas de taxidermistas são inacreditáveis. Isso porque, no fim da história, você não leva o animal propriamente, mas sua pele seca, escavada e tratada, contornando um molde de poliuretano. Pele, presas, galhadas e chifres são mantidos, ossos e todo o resto ficam para trás. (...) Quando se somam todas as despesas — esfolar o animal, pagar pelo frete da pele e as taxas, fazer inspeção veterinária, alfândega, seguros, além do serviço de taxidermia em si —, nota-se que ficaria mais barato levar o animal vivo a bordo de um Concorde. Um leão na American Sportsman Taxidermy — apenas a reconstrução — custa US$ 3.595. Uma zebra: US$ 3.795. Um búfalo: US$ 7.495. Uma cabeça de elefante: US$ 13,5 mil. O elefante inteiro: US$ 45 mil ou mais." (Págs. 110 e 111)
Matthew Scully dá voz também, e avalia em seu livro, as correntes que defendem a postura atual em relação aos animais, com a certeza de que existe "um tipo de mente humana que pode provar qualquer coisa em que acredite, e acredita em qualquer coisa que pode provar". É o caso do governo japonês que justifica a matança de milhares de baleias com o argumento de herança cultural e pesquisa científica ou biólogos que tentam eliminar o stress de suínos no abatedouro por meio de manipulação genética e, por mais chocante que possa parecer, filósofos que defendem a falta de consciência dos animais, chegando à conclusão de que os mesmos não sofrem, "apenas" sentem dor (como se dor e sofrimento não fossem sinônimos).

Nunca fui vegetariano, mas chego a pensar na possibilidade depois de ler uma passagem do livro em que o autor visita uma fazenda industrial. Há mais porcos do que habitantes na Carolina do Norte e, no entanto, pode-se viajar por todo o estado sem ver nenhum. O motivo é que as fazendas tradicionais foram substituídas por fazendas industriais sem os riscos normais da pecuária. Nesta nova forma de criação corporativa de animais a baixo custo (agroindústria no Brasil), os porcos sofrem "melhoramentos genéticos" e sobrevivem amontoados em chiqueiros lotados e imundos, confinados do nascimento até o abate, sendo monitorados por um sistema totalmente automatizado.

É certo que muitos dos procedimentos e "avanços" industriais da pecuária são irreversíveis, assim como pesquisas científicas continuarão sendo feitas com o sacrifício de animais, mas certamente existem medidas que podem reduzir a crueldade do tratamento dispensado atualmente, definindo condições apropriadas de vida para cada espécie, impedindo o uso de hormônios, remédios, clonagem e tecnologias genéticas, proibindo definitivamente o comércio de animais selvagens e o grande absurdo da "caça esportiva". O livro é escrito com inteligência, bom exemplo de jornalismo investigativo e um tema, infelizmente, cada vez mais atual.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

As 20 obras mais importantes da literatura brasileira

Monólogo de Molly Bloom em Ulysses, "sim eu disse sim eu quero Sim"

As 20 obras mais importantes da literatura francesa

Mario Levrero - O Romance Luminoso

Felipe Franco Munhoz - Identidades

Vencedores do Prêmio Sesc de Literatura 2018